INVERSÃO NO BALANÇO MIGRATÓRIO MINEIRO: AS TROCAS POPULACIONAIS ENTRE MINAS E SÃO PAULO

Ralfo Matos, Carlos Lobo, João Stefani

Resumo


Minas Gerais tem perdido população para o estado de São Paulo há pelo menos 100 anos. Os fluxos migratórios entre tais Unidades da Federação expressavam trocas populacionais muito desiguais, amplamente favoráveis a São Paulo, sobretudo no período 1940-1980. Sucessivos momentos de dificuldades econômicas que Minas enfrentou certamente explicam seu perfil emigratório tão persistente. Entretanto, mudanças nas trocas entre São Paulo e Minas já podiam ser observadas nos dados do Censo de 1991, quando mostrava o declínio do nível de perdas do estado em relação a São Paulo. Os dados do Censo de 2000 não só confirmam essa tendência como indicam um quadro novo. Pela primeira vez, Minas Gerais exibe saldo migratório positivo em suas trocas com São Paulo. A expansão da área de influência de São Paulo no Sudeste pode estar criando novas territorialidades, que vêm absorvendo parte dos efeitos do processo de desconcentração econômica e demográfica da metrópole paulista. Minas Gerais certamente participa desse processo. Assim sendo, os dados devem, em alguma medida, expressar essa evidência. Regiões como as do Sul de Minas, Triângulo e Mata, a princípio, seriam as áreas ganhadoras por excelência, em face da proximidade com o estado de São Paulo. Os dados, mostram, no entanto, que outras regiões de Minas também tiveram alteradas suas relações de trocas com São Paulo. O trabalho analisa parte dessas novas evidências empíricas, procurando identificar e comparar os aspectos referentes ao perfil socioeconômico dos migrantes, tendo em conta a distribuição dos fluxos migratórios inter-regionais e intermunicipais, além da contribuição da migração de retorno a UF.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.