DETERMINAÇÃO DE ÁREAS DE ENDEMISMO DE CORAIS ESCLERACTÍNEOS E HIDROCORAIS NO ATLÂNTICO SUL OCIDENTAL

Samira da Conceição Sabadini

Resumo


Os recifes de corais são considerados o ecossistema marinho de maior produtividade, sendo os recifes brasileiros os mais importantes do Oceano Atlântico Sul Ocidental. A costa brasileira apresenta pouca biodiversidade de corais hermatípicos e considerável quantidade de espécies endêmicas. Este trabalho teve como objetivo geral determinar as áreas de endemismo de corais escleractíneos e hidrocorais nos recifes brasileiros e, mais especificamente, definir as áreas que demandam atenção especial para a proteção das espécies endêmicas no Brasil. O estudo foi desenvolvido para os recifes do Parcel de Manuel Luis, Maracajaú, Atol das Rocas, Arquipélago de Fernando de Noronha, Tamandaré, Maragogi, costa do Estado da Bahia e região de desaparecimento de corais hermatípicos. Os registros de espécies ao longo da costa foram obtidos da literatura. Foi utilizada a metodologia Geographical Interpolation of Endemism (GIE) desenvolvida por Oliveira et al (2015) e, então, gerado o mapa de áreas de endemismo a partir da função de interpolação Espacial Kernel. A metodologia foi adequada porque o mapa permitiu a compreensão das áreas de sindemia de corais hermatípicos em duas escalas espaciais. 


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.