Imigração haitiana no estado de Santa Catarina: fases do fluxo e contradições da inserção laboral

Luís Felipe Aires Magalhães, Rosana Baeninger

Resumo


O Haiti é um país caracterizado por intensa tradição emigrante. Desde o final do século XIX, países como República Dominicana, Cuba, Canadá, França e Estados Unidos, constituíram-se como destinos históricos. Com a crise capitalista de 2008, o acirramento de seletividades migratórias nestes destinos e a própria expansão econômica brasileira e sua presença no Haiti, essa emigração passou a se direcionar, após 2010, ao Brasil. Atualmente, estima-se haver mais de 50.000 haitianos residentes no Brasil, com destaque para quatro municípios catarinenses: Chapecó, Itajaí, Joinville e Blumenau. Este artigo objetiva apresentar as fases da inserção laboral desta força de trabalho e suas principais contradições. Parte-se da hipótese de que já podem ser identificadas mudanças neste perfil, bem como uma mobilidade interna desta migração internacional, que nos permitem definir etapas da presença haitiana no Estado. A metodologia contempla utilização de revisão teórica (para a reflexão sobre as origens do fluxo e sua chegada a Santa Catarina), pesquisa em fontes de dados administrativos (do Ministério do Trabalho e Emprego e da Polícia Federal, para a formulação do perfil migrante) e trabalho de campo de natureza qualitativa em Balneário Camboriú e Chapecó (para a verificação das hipóteses levantadas).

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


GEOgrafias: uma publicação do Departamento de Geografia e do Programa de Pós-Graduação em Geografia - IGC/UFMG