Migração dos médicos: Uma análise dos movimentos migratórios dos profissionais da saúde no Brasil segundo Unidades de Federação (2000-2010).

Moisés H. Sandoval, Laura R. Wong, Sábado Nicolau Girardi, Lucas Wan Der Maas

Resumo


O objetivo do trabalho é identificar os
principais padrões migratórios dos
profissionais médicos segundo as Unidades de
Federação (UFs) do Brasil, a partir dos Censos
Demográficos dos anos 2000 e 2010.
Construíram-se matrizes de migração para
cada um dos pontos do tempo e se estimam
taxas liquidas de migração para cada UF. Os
resultados mostram que, apesar da
identificação de um aumento no número de
médicos que migram para outras UFs durante
o período de estudo, continuam existindo
diferenças significativas entre as regionais e
UFs, em relação à alocação de médicos. A
região Sudeste, especificamente, São Paulo,
Minas Gerais e Rio de Janeiro são as principais
UFs, fornecedoras de médicos para outros
Estados e também são as principais
receptoras. Realidade oposta é a de Amapá, a
UF que recebe a menor quantidade de
médicos imigrantes. Acreditamos que os
resultados desta natureza permitem que o
conhecimento sobre os deslocamentos dos
médicos contribua a melhorar desenhos de
planos estratégicos para estabelecer a
quantidade mínima de médicos que cada
Unidade de Federação do Brasil possa ter e
monitorar estas correntes migratórias de mão
de obra tão qualificada e específica como são
os médicos.

Palavras-chave


migração, médicos, Mão de obra qualificada

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


GEOgrafias: uma publicação do Departamento de Geografia e do Programa de Pós-Graduação em Geografia - IGC/UFMG