Agentes produtores do espaço na Serra do Cipó (MG): um breve paralelo

Guilherme Augusto Pereira Malta, Maria Flávia Pires Barbosa, Solano de Souza Braga, Bernardo Machado Gontijo

Resumo


No contexto atual, onde impera a lógica
mercadológica, o espaço urbano, compreendido
como espaço fragmentado e produto social, é
também reduzido à mercadoria, em função do seu
valor de troca, sendo cada vez mais produzido para
dar condições à reprodução do capital. Em uma
lógica semelhante, o turismo representa uma prática
que tem como mote tanto a produção quanto o
consumo do espaço, assumindo o turista neste
processo o papel de consumidor. Diante disso, este
artigo tem por objetivo abordar a dinâmica de
produção do espaço urbano, apresentando os
agentes modeladores que atuam nesse processo,
bem como traçar um paralelo com os agentes que
atuam na produção do espaço pelo e para o
turismo. Busca-se, portanto, entender se há alguma
correspondência em relação aos agentes que atuam
em cada um desses processos e se seria possível
estabelecer uma escala de predominância na atuação
desses agentes que produzem o espaço. Para isso,
buscou-se realizar um estudo acerca da nova
organização espacial provocada pelo turismo na
região da Serra do Cipó/MG, visto que a
exploração do turismo tem gerado mudanças locais
significativas. Como resultado, observou-se que, em
ambos os casos, a atuação dos agentes não se dá de
forma isolada, mas ocorrendo em conjunto.


Palavras-chave


produção do espaço; espaço urbano; turismo; Serra do Cipó.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


GEOgrafias: uma publicação do Departamento de Geografia e do Programa de Pós-Graduação em Geografia - IGC/UFMG