Ponderação de variáveis ambientais para a determinação do Potencial de Uso Conservacionista para o Estado de Minas Gerais

Adriana Monteiro da Costa, João Herbert Moreira Viana, Laís Pinheiro Evangelista, Dayane Caroline de Carvalho, Klinsmann Cortezzi Pedras, Ivana de Marco Horta, Hugo Henrique de Cardoso Salis, Max Paulo Rocha Pereira, Jarbas Lima Dias Sampaio

Resumo


O conhecimento do meio físico é premissa básica para a compreensão das relações ambientais e para o ordenamento e planejamento do uso do solo em bacias hidrográficas. O Zoneamento Ambiental e Produtivo de bacias hidrográficas tem sido usado oficialmente em Minas Gerais, como instrumento de elaboração e acompanhamento de planos de adequação socioeconômica e ambiental. É composto das etapas de diagnóstico da disponibilidade hídrica, de levantamento do uso e de ocupação do solo e da definição de unidades de paisagem. No procedimento atual, as unidades de paisagem são delimitadas manualmente, exigindo conhecimento e experiência do técnico e deixando margem para interpretações subjetivas e para baixa reprodutibilidade. Assim, este trabalho teve como objetivo apresentar os critérios de ponderação de um método alternativo às unidades de paisagem, o mapeamento do Potencial de Uso Conservacionista (PUC). Este foi construído a partir dos componentes (1) solo, (2) litologia e (3) declividade que, respectivamente, foram ranqueados em função da (1) drenagem, fertilidade, textura e profundidade efetiva; (2) composição química e mineralógica e susceptibilidade à denudação; (3) critério da aptidão agrícola. Os pesos finais obtidos para os componentes do potencial de uso apresentaram valores coerentes com as observações empíricas do uso efetivo do solo no estado de Minas Gerais, indicando que o método pode ser usado como alternativa viável.

Palavras-chave


Zoneamento Ambiental e Produtivo, Potencial de Recarga Hídrica, Potencial de Uso Agropecuário, Potencial de Resistência à Erosão.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


GEOgrafias: uma publicação do Departamento de Geografia e do Programa de Pós-Graduação em Geografia - IGC/UFMG